Paris 6 – Torre Eiffel

Vou começar afirmando que a visão da Torre Eiffel é majestosa, seja qual for a distância que você esteja dela. Com sol ou com chuva é uma construção imponente a ser apreciada. Na nossa vez o tempo escolheu chover e fazer frio, muito frio, e até nevou.

Planejamos a viagem para o final de abril, mês da primavera e estava tudo dando certo com o tempo nos primeiros dias de viagem, mas assim que chegamos em Paris junto conosco chegou uma frente fria inesperada. Mas isso não importa, não prejudicou a viagem.

Já disse e vou repetir que em Paris nada é simples, tudo é grandioso, maravilhoso, suntuoso, todos os “osos” que existirem.

A Torre Eiffel tem ao mesmo tempo uma presença delicada e forte na paisagem da cidade. Acho que percebi isso pela forma que ela tem, pés enormes gigantescos e o topo pontiagudo. Ao seu redor jardins milimetricamente dispostos, criando vários ângulos em que ela se mostra inteira ou em parte, mas sempre imponente. Se vista de longe ela já desponta, estando aos seus pés ela impressiona.

Poderia descrever as sensações que tive por linhas a fio, mas vamos à parte prática da visita que acho muito importante relatar.

Por conta desse hipnotismo todo que alcança os turistas a região da Torre Eiffel é cercada de golpistas, eles vem de todos os lados, com todas as formas e histórias. Seguem literalmente as pessoas, rodeiam, tentam ouvir as conversas para identificar o idioma e assim analisar o potencial lucrativo do golpe. Uns são sutis, outros partem para o corpo a corpo literalmente.

Desconfie de tudo e de todos, não facilite. Sua roupa tem bolsos? deixe eles vazios. Você está de mochila? carregue ela na frente do seu corpo. Sabe aquela bolsa maravilhosa de ombro ou de mão que você comprou em Paris, dê um jeito de prendê-la bem ao seu corpo e manter tudo à sua frente.

Qualquer momento é propício para um batedor de carteira, uma travessia de pedestres, uma fila de entrada, um elevador, um grupo ouvindo o guia, você estar parada olhando para o alto tentando tirar uma foto.

Não se engane, você nunca será esperto o bastante para vencer eles em um debate ou jogo de adivinhação. Tem outras pessoas participando, turistas? Não, são todos da quadrilha, você é a única pessoa que não é do grupo e será enganada.

post-banner

No começo pensamos que não seria possível um golpista pagar para entrar em um museu ou na torre para tentar sem saber se conseguiria bater a carteira das pessoas lá dentro. Ele poderia perder o dia inteiro nisso e o dinheiro do ingresso. Mas é exatamente isso que eles fazem, entram de manhã e passam o dia nas escadas e elevadores, subindo e descendo, apalpando as pessoas.

Calma, não é pra ficar com medo horrorizado e desistir de ir para Paris. Esses golpes são localizados em alguns pontos turísticos, não é na cidade inteira. Se você observar bem vai conseguir identificar logo onde eles estão e quem são eles.

Nós não fomos saqueados e nem enganados, mas isso não quer dizer que não tentaram. Passaram a mão na minha bunda na Torre Eiffel. Sim, não tinha nada lá, mas que eu senti eu senti. Imediatamente me virei e a pessoa disfarçou, não deu tempo de avisar as comparsas e elas (sim mulheres) ficaram ali atrás de nós fingindo uma conversa.

Assista o vídeo, se inscreva aqui no blog e lá no canal e siga a gente nas redes sociais.

Um beijo e até o próximo post.

Essa publicação pode conter conteúdo publicitário e redirecionamento para parceiros do Blog.

via IFTTT

Anúncios

Um comentário sobre “Paris 6 – Torre Eiffel

  1. Pingback: Paris 7 – Basílica de Sacré Cœur (Montmartre) – PATRICIA VIAJA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s