Nosso último dia em Portugal chegou e fomos conhecer Sintra. A região fica bem perto de Lisboa, e a grande maioria dos turistas faz esse passeio em um único dia, mantendo a hospedagem em Lisboa. No vídeo nós mostramos o que conseguimos conhecer e ver em um dia bem produtivo de passeio. Aqui no blog vou detalhar mais e dar minha opinião e falar o que faria diferente.

Para chegar em Sintra saindo de Lisboa, é possível ir em trem (comboios) e usar a gratuidade do Lisboa Card, a viagem dura cerca de 45 minutos. Em Sintra existem ônibus que fazem o percurso dos Castelos e Palácios, o valor não está incluído no Lisboa Cad, mas se você estiver em um grupo de 4 pessoas vale a pena chamar um uber. Nós conhecemos o Luiz, um grande amigo da minha irmã e que mora em Lisboa há bastante tempo, conhece tudo por lá, e faz o serviço de traslado turístico e passeios privativos personalizados. Conseguimos combinar nossos horários e estivemos junto com ele nesse dia de passeio.

Em um único dia é possível ver rapidamente as principais construções e ir até o Cabo da Roca, que foi o que nós fizemos. Mas não conseguimos visitar todos os Castelos e a visita ao Palácio da Pena foi ultra rápida. Era o feriado do dia 1 de maio e a cidade estava completamente lotada. Ir de carro com o Luiz que mora em Lisboa e conhece tudo lá por Sintra, foi primordial e fez a diferença no nosso deslocamento e na ordem das visitações. Se você precisa e quer fazer passeios personalizados nós deixamos o contato do Luiz na descrição do vídeo.

Com o tempo bom, ensolarado, os jardins dos castelos e palácios são um convite e assim nós começamos as primeiras horas do dia na Quinta da Regaleira, que é um convite à imaginação, em cada canto escondido, passagem subterrânea, e os mistérios e histórias desse lugar de muitas influências maçônicas. O interior do Palacete é todo decorado e está em ótimo estado de conservação e restauro, vale a visita e nós recomendamos, independente de quais sejam suas convicções com a maçonaria.

Depois de passar horas na Quinta da Regaleira, fomos para o Cabo da Roca, que também estava lotado, mas nem por isso deixamos de nos impactar pela beleza da vista que se tem do mar. Lá venta bastante, esteja sempre com um casaco leve ou lenço do tipo echarpe. Mesmo com o local abarrotado de turistas, chegando e saindo, é possível ter momentos de relaxamento e limpar a mente olhando pra imensidão do azul do mar que se mistura ao céu no horizonte. Reserve pelo menos 30 minutos para estar ali.

Voltando para a cidade de Sintra paramos no caminho para um almoço com cara de lanche, um hábito que nós criamos nas viagens. Nos preocupamos com o café da manhã, e nos alimentamos bem, nos preparamos para comer um lanche ao invés de almoçar, e fazemos uma refeição principal mais tarde, ou o inverso. Comemos fora do centro de Sintra, onde os preços são os usuais para os locais, nada de preços para turistas. Em Portugal é bem barato para comer, basta procurar.

Ainda no caminho passamos pelo Convento da Peninha, em Colares, de onde se tem uma vista panorâmica da região de Cascais, Sintra e Lisboa, e como o dia estava bem ensolarado e sem nuvens, pudemos ver bem a região.

Chegamos no Palácio da Pena, que é maior que a Quinta da Regaleira, e estava bem mais cheio, simplesmente lotado, subimos até o Palácio e entramos, mas logo no início do percurso decidimos sair. Para conhecer o Palácio por dentro havia uma fila indiana, onde não era possível se movimentar sequer para tirar fotos, ficamos cerca de 15 minutos e a fila se movimentou por um cômodo apenas. Tomamos a decisão de sair, conhecer a parte externa que não possuía fila, filmamos um pouco do local, e descemos para conhecer o Palácio Nacional de Sintra. Fiquei bem triste de não conseguir ver o Palácio da Pena por dentro, mas tenho certeza de que não ia ser saudável conhecer no ritmo em que estava, vamos tentar voltar em outra viagem.

O Palácio Nacional de Sintra, fica no meio da vila de Sintra, e é possível ir a pé da estação de trem. Boa parte do Palácio estava sendo restaurada, e não pudemos visitar, mas a decoração interior lembrou um pouco a da Quinta da Regaleira, tendo em alguns cômodos os mesmos temas, com o diferencial de que as influências árabes são um pouco mais marcantes neste Palácio. A caça é um tema recorrente nos dois, e as pinturas em azulejos também.

O que eu faria diferente? Ficaria uma noite em Sintra, reservaria dois dias para visitar com calma cada Palácio e jardim. Considero que o ideal para uma visitação de uma área grande assim é de dois lugares por dia. É preciso dar um tempo para os sentidos assimilarem e construírem as memórias das visitas, da viagem.

Começar as visitas logo cedo ajuda a otimizar o tempo, mas é preciso respeitar nosso próprio tempo também.  Mas, se você não puder dispor de 2 dias, eu aconselharia a visitar a Quinta da Regaleira, pela manhã, em seguida o Palácio da Pena, onde é possível comer um lanche ou almoçar, terminando a visita dos jardins na parte da tarde e se o tempo estiver bom, terminar o dia no Cabo da Roca com o por do sol. E se o tempo estiver feio ou até chuvoso, vale a pena trocar o Cabo da Roca pelo Palácio Nacional de Sintra ou o Palácio Nacional de Queluz.

Assista o vídeo, e para receber mais conteúdo como este se inscreva no blog e no canal e siga a gente nas redes sociais (InstagramFacebook, e Twitter).

Nessa viagem tivemos boas parcerias, usamos os chips da Easysim4u com internet ilimitada em todos os países, a cobertura da Seguros Promo para a Patricia, a Banggood que ofereceu alguns acessórios de viagem e a Secretaria de Turismo de Lisboa que nos concedeu o Lisboa Card para ter livre acesso ao transporte público e atrações em Lisboa.

Um beijo e até o próximo post.

Essa publicação pode conter conteúdo publicitário e redirecionamento para parceiros do Blog.

easysim bannerEuropa 1Portugal.JPG

Anúncios

Sintra – Portugal 6

Comente

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.