Respondendo comentários – FRANÇA

A viagem para a França foi incrível, tentamos passar o máximo de informações úteis aos viajantes em cada vídeo que fizemos, mas mesmo assim, recebemos muitas perguntas, quase que diariamente sobre lugares para visitar, como se deslocar e outras curiosidades.

Separamos as perguntas mais recorrentes em todos os vídeos da playlist França no canal e gravamos um vídeo respondendo essas perguntas:

post-banner

O que é preciso para dirigir na França?

Como chegar até o pátio do Arco do Triunfo?

Como funcionam os Passes de Museus?

Quanto tempo é razoável para ficar nos museus?

Como alugar e utilizar as bicicletas públicas?

rentcars-banner

Recebemos vários outros comentários e perguntas sobre alimentação, hospedagem, como lidamos com o idioma e o clima. Todos os comentários foram respondidos individualmente nos vídeos e também relatamos aqui no Blog como foi a experiência mostrada em cada vídeo. Leia os posts da viagem para a França aqui.

Assista o vídeo e deixe suas dúvidas e comentários aqui.

Se inscreva no blog, no canal e siga a gente nas redes sociais.

Um beijo  até o próximo post.

via IFTTT

Paris – Quanto custou a viagem?

Viajar para o exterior não é barato. Para a Europa então um pouco mais caro. E se for para Paris, segura a carteira!

A oscilação do câmbio pode simplesmente vaporizar o seu sonho de viajar.

Calma, não se desespere, dá pra fazer essa viagem ficar mais econômica e caber no seu bolso.

Vamos começar com as passagens. Tente juntar milhas e trocar as passagens só pagando as taxas de embarque. Com planejamento é possível, pode levar mais de um ano, mas você consegue.

E a hospedagem? Você não precisa acordar com a Torre Eiffel na janela do seu quarto. Paris tem um excelente metrô e transporte público com muita variedade. Fique um pouquinho fora do centro e descubra como vivem os verdadeiros parisienses. Encare esses minutos no transporte público como um passeio de imersão na cultura local. Ahhh e também dá pra pagar a hospedagem usando milhas aéreas.

Agora que você já superou a parte de ir e se hospedar como vai sobreviver em Paris? Comprando comida no supermercado. Sim! Os supermercados de Paris são excelentes e vendem tudo infinitamente mais barato do que nos restaurantes e cafeterias. Experimente! Faça da sua experiência gourmet uma ou duas experiências no máximo. Comida é o item que mais estoura o orçamento de um viajante. Quando estamos com fome a gente não pensa direto nos custos. Previna-se.

Agora você já está em Paris, dormindo bem e alimentado, vamos passear.

Use o transporte público, as bikes, caminhe. Permita-se dar voltas pelas ruas de Paris, ficar um pouco perdido vai te fazer bem e aumentar sua experiência de viagem.

Por último os passeios. Paris tem muita coisa pra ver e fazer, não queira esgotar tudo em uma única viagem. Priorize. Escolha seus 3 ou 5 maiores desejos e realize eles completamente.

A cidade é uma galeria de arte a céu aberto, pense nisso, principalmente se o dia estiver ensolarado e quente.

Quer saber quanto a gente gastou com cada item desses? Assista o vídeo.

Se inscreva no blog, no canal e siga a gente nas redes sociais.

Um beijo e até o próximo post.

Compras de viagem – Paris

 Segurei o post até sair o segundo vídeo de compras, assim falo tudo de uma vez só.
Quando planejamos a viagem para a Europa, todo mundo que já tinha ido falava o quanto era caro uma viagem para a Europa e Paris então era a cidade mais cara de toda a Europa.
E não é que nos surpreendemos com os preços e fizemos não poucas, mas muitas compras. Claro que tudo dentro do mesmo padrão de consumo que temos no Brasil. Não teve nada de marcas de grifes exclusivas, muito pelo contrário, foi tudo baratinho.
Os preços foram em média 70% mais baratos do que o que nós encontramos no Brasil, alguns itens foram só 20% mais baixos e outros foram quase 90% mais baratos.
Obviamente que parte das compras foi planejada, coisas que eu precisava e consumo durante o ano, e até a próxima viagem, quando aproveito para comprar de novo e repor o estoque. Já algumas outras coisas foram compradas pelo bom preço mesmo, para aproveitar a ocasião e presentear os amigos e parentes ao longo do ano em aniversários e datas especiais.
Minhas compras favoritas foram as blusinhas da H&M, a bolsa da Kipling, que já sabe andar sozinha em São paulo de tanto que eu uso, e os dermocosméticos. Deus abençoe a França e os dermocosméticos. Que produtos maravilhosos! Pode comprar de olhos fechados, é tudo de bom. As descobertas dessa viagem foram as marcas Caudalie e Uriage. Uma qualidade ímpar, preço imbatível, justificaram a pele maravilhosa do povo francês, está aí o segredo. Produtos de altíssima qualidade e acessíveis para todas as pessoas de todas as condições financeiras.
Quer ver tudo? assista aos vídeos, os preços estão todos lá.
Se inscreva no blog e no canal e siga a gente nas redes sociais.
Um beijo e até o próximo post.

via IFTTT

AEROPORTO Charles de Gaulle e voando com a AIRFRANCE

Fim. Acabou a viagem para Paris. Foram 14 dias inteiros na cidade de Paris e arredores.

Tentamos ir para o aeroporto da forma mais econômica e confortável. Pensamos que o ônibus Roissy Bus era de viagem, do tipo executivo, mas é um ônibus normal. Custou 11 euros para cada um a passagem saindo da Opera de Paris até o Aeroporto Charles de Gaulle. com certeza foi bem mais barato do que ir de taxi. No ônibus tem wi-fi razoável e espaço limitado para colocar a bagagem. Demos sorte de não estar lotado.

Chegando no aeroporto fomos fazer o “detaxe” ou “taxfree” de algumas coisas que conseguimos comprar e concentrar em uma única loja. No vídeo eu explico como funciona. Não vou me estender nesse assunto aqui porque vamos fazer um vídeo e um post exclusivo sobre isso no futuro.

Chegamos cedo no aeroporto para o horário do nosso embarque, por dois motivos, para evitar atrasos e aproveitar a sala vip.

Infelizmente o acesso para a sala vip não deu certo. Pois é. Por questões de segurança o acesso aos terminais é liberado pelo que determina o cartão de embarque do passageiro. No terminal onde embarcamos, o 2E até tinha salas vip que poderíamos utilizar. Os demais portões do terminal 2E, onde estão as salas vip que poderíamos acessar, tem um acesso por outro controle de raio-x  e ao passar o cartão de embarque na leitora nossa passagem foi negada pelo sistema. Mesmo assim, tentei explicar dizendo que era para acessar a sala vip e não adiantou.

A Cia Aérea AirFrance tem  um conjunto de portões de embarque cujo acesso é exclusivo aos seus passageiros e para isso existe uma linha de controle de raio-x próprio. Até existe uma sala vip nesse conjunto de portões de embarque, mas é exclusiva da AirFrance e o acesso só é permitido aos passageiros que estiverem voando nas classes executiva e primeira classe. Nem adianta ser elite top plus master de outra Cia Aérea ou até da AirFrance, se não estiver com bilhete de voo das classes executiva e primeira classe, não vai entrar. Ainda perguntei, e se eu quiser pagar? Não. Mostrei o cartão de crédito, mesma resposta, não… Quis tirar mesmo a dúvida pra poder falar para as pessoas que iriam assistir os vídeos e os leitores do blog.

Já desanimada e com pelo menos 1h30 de espera até o embarque, descemos e fomos andar pelo terminal e ver o que tinha ali. Não tem muitas poltronas ou bancos que acomodem a todos os passageiros da classe econômica de um voo, o que faz as pessoas circularem pelo saguão e cria a ocasião para o consumo nas lojas existentes. Eu estava com fome, então fui ver o que tinha para comer. Logo na entrada do terminal tem uma espécie de restaurante misturado com cafeteria, com auto serviço onde cada coisa tem um preço. Se você comer pouco vai gastar em média 10 euros. Nessa hora eu pensei que foi bom ter ido de ônibus para o aeroporto ao invés de táxi porque me sobrou dinheiro para comer, rsss… me chamem de pão dura, nem ligo, prefiro gastar meu dinheiro em cremes, rsss. Peguei uma torta de legumes e um cappuccino, foram quase 20 euros. Haviam outros quiosques de gêneros alimentícios, com lanches e doces, mas, por ser domingo e feriado de 1 de maio, estavam quase todos fechados. Ou seja, só tinha uma opção para comprar alguma coisa para comer.

Depois de comer só nos restava esperar pelo embarque, conseguimos um sofá para sentar e ficamos esperando. Começaram a anunciar a chamada para o embarque já dizendo desde a primeira vez que era a última chamada para o embarque. Seria cômico não fosse pelos quase 20 idosos (inclusive com muletas) que eu contei de longe que prontamente se colocaram de pé e esperaram na fila. Desse momento até o efetivo embarque, se passaram cerca de 25 minutos. Depois que boa parte dos passageiros se colocou de pé, os funcionários começaram a chamar os passageiros da classe executiva e primeira classe, isso durou por uns 20 minutos, até que só então começaram a permitir que os demais passageiros que já estavam na fila em pé pudessem entrar na aeronave. Mais um detalhe é que existem duas checagens do seu passaporte. Na fila por uma funcionária e de novo na ponta da fila imediatamente antes da porta que dá acesso ao avião. Ambas realizam a mesma verificação. A princípio eu imaginei que na porta só teria que mostrar a passagem, mas não o passaporte foi verificado novamente, e eu me perguntei o que teria feito a primeira funcionária? nada?

O serviço de bordo da AirFrance foi uma surpresa para mim. Eu já tinha voado com a KLM e confesso que fui com a mesma expectativa por elas serem parceiras.

Os assentos são razoáveis, mas a AirFrance peca e muito por cobrar dos passageiros a marcação antecipada de assentos, e ainda um pouco mais se eles estiverem em uma fileira dupla (pois é). Nós conseguimos marcar os assentos antes porque vinculei meu número fidelidade no bilhete aéreo e para os participantes dos programas de fidelidade não é cobrado.

Os fones de ouvido só começam a ser entregues depois que a aeronave decola, ficamos quase 30 minutos esperando, acabei usando o meu próprio fone de ouvido. O menu de filmes é bom pelo menos, com bastante variedade.

As refeições não agradaram o meu paladar e o serviço também não. 10 a zero para a KLM nesse quesito. Se você puder escolher entre as duas cias aéreas, não duvide, compre seu voo na KLM. Vou detalhar o máximo que eu puder. A começar pelo pré serviço de bordo, que na KLM oferecem uma toalha quente e úmida para a gente limpar as mãos, na AirFrance não tem nada. As opções são até que boas enquanto no cardápio, mas quando chega a bandeja com o prato é que vem a decepção. Os talheres são de plástico. O pão que acompanha vem frio para gelado. A comida não é pouco temperada, é sem tempero mesmo. No café da manhã serviram um omelete que espumava e não era cremoso de gostoso, era um cremoso de cru com espuma. Dei uma chance para conhecer uma coisa nova, mas não gostei. E detalhe final, o café da manhã não tinha pão.

Resolvi comparar as duas cias aéreas porque elas são parceiras e o tarifário para o Brasil é praticamente igual, mas com uma grande diferença no atendimento ao cliente, independente dele estar na classe econômica ou na primeira classe.

Assista o vídeo e conheça um pouco do aeroporto Charles de Gaulle e do serviço de bordo da AirFrance.

Todos os vídeos e posts da viagem estão aqui no Blog, busquem lá na guia Europa.

Se inscreva no blog e no canal e siga a gente nas redes sociais.

Um beijo e até o próximo post.

via IFTTT

Paris 10 – Jardim Botânico

E chegou o nosso último dia inteiro em Paris. Mais um dia de passeios ao ar livre, para conhecer mais um pouco da cidade. O tempo realmente não ajudou muito e além de fazer muito frio  até chuviscou um pouco.

Começamos o dia passando novamente pelos Jardins de Luxemburgo conhecendo outras partes do jardim, como o apiário, a área reservada para as crianças e o teatro. Mesmo com o tempo nublado e chuvoso o parque estava movimentado com os moradores da cidade.

Saindo do jardim seguimos para as Arenas de Lutécia (Les Arènes de Lutèce). Construídas em meados do terceiro século depois de Cristo, ficaram meio que esquecidas e em meados de 1860 foram escavadas e preservadas como parte da história de Paris.

 Das Arenas seguimos a pé para o Jardim Botânico de Paris, que fica no mesmo espaço que o Museu Nacional de História Natural e ainda um pequeno zoológico. A entrada para os Jardins é gratuita e para o museu e o zoológico são pagas.

Ficamos só na área dos Jardins, que são bem grandes e isso já consumiu pelo menos umas 4 horas do nosso dia. No jardim tem uma passagem subterrânea para um segundo jardim , com tema oriental, que fica em um nível mais baixo.

Existem muitas áreas com bancos para sentar e apreciar as mais de 15 mil espécies existentes nos jardins. Banheiros públicos, restaurantes e lanchonetes estão espalhados no espaço para servir aos visitantes.

Eram mais de 6 horas da tarde quando saímos do Jardim Botânico e seguimos andando em direção ao Canal de Saint Martin e a Praça da Bastilha.

Não percorremos o canal de Saint Martin inteiro, ele tem uma extensão de mais de 4 km. A parte das margens pela qual passamos é muito charmosa, com barcos ancorados e um caminho florido, com bares e até um pequeno moinho de vento. A beleza maior ficou por conta do horário do pôr do sol e do céu azul que abriu finalizando o nosso último dia em Paris.

Saímos do canal pelo o acesso por rampa até a praça da Bastilha e da estação de metrô.

Durante a viagem passamos de bicicleta algumas vezes pela praça da Bastilha.

Onde hoje é uma praça existia uma prisão, destruída na Revolução Francesa entre 14 de julho de 1789 e 14 de julho de 1790.

O que existe no meio desse ajuntamento de ruas é um monumento, chamado Coluna de Julho (Colonne de Juillet), que comemora os acontecimentos da Revolução de Julho (1830).

Assista o vídeo, se inscreva no blog e no canal e siga a gente nas redes sociais.

Um beijo e até o próximo post.
via IFTTT